Tem algum pedido de filme doido? Manda a dica em Contato que se possível ele pode estar aqui no baú da desgraççs, se não, ao menos tentamos
Mostrando postagens com marcador Demonologia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Demonologia. Mostrar todas as postagens

Haxan - A Feitiçaria Através dos Tempos (1922)

 Título: Häxan (Original)
Häxan: Witchcraft Through the Ages (EUA)
Diretor: Benjamin Christensen
Duração: 104 minutos
País de origem: Suécia
Audio: - | Legenda: Português

Sinopse: Häxan documenta as perseguições movidas contra as feiticeiras numa Europa atravessada pela intolerância religiosa. O filme é narrado em primeira pessoa, como se o diretor desejasse demonstrar uma tese, assim enunciada: “A crença nos maus espíritos, feitiçaria e bruxaria é o resultado de ingênuas noções sobre o mistério do universo”. Torturas, possessões e rituais de Sabá são aqui dramatizados numa narrativa de docudrama, ilustrando uma série de analogias entre o mundo moderno e o período da Inquisição. Obra-prima do cinema fantástico, realizado numa época em que não havia censura. São visíveis as influências pictóricas de Hieronymus Bosch e Bruegel. O virtuosismo de Häxan acabou influenciando Carl Dreyer em “A Paixão de Joana D'Arc”.
Idealizado pelo cineasta dinamarquês Benjamin Christensen em 1919, Haxan foi um esforço meticulosamente trabalhada que levou três anos para estar realizado completamente. Elementos de um documentário combinando com ficção, o filme é uma análise dos diversos males que afligem a humanidade, a intolerância religiosa.

Demonologia - Lilith (Parte 3 final)

Imagem: Etsy

Lilith é o nome da concha qliphótica (da árvore da morte) - ou Qlipha - de Malkuth, e significa Noturna, fornicária. Lilith é também o arquidemônio da Esfera lunar Yesod, pois a Terra e o plano astral são muito próximos e se influenciam intimamente.

Ela, o demônio da luxúria, personificação dos impulsos sexuais promíscuos, e sua obsessão por prazeres sensoriais do sexo a todo custo, seu descaso e desamor material!
Condizente com a sua função, ela deve se apresentar da forma mais "bela" possível, para seduzir os homens apresentando-os os prazeres sexuais.

Demonologia - Lilith (Parte 2)



Aqui estamos com a segunda (Parte 1) parte do Palratório das histórias, comparações, mitos, entre outros, sobre Lilith. Pra mim, ao entrar numa história, um mito, uma lenda, uma notícia, um assunto, ou algo do tipo é interessante ver todos os lados ou conexões da coisa... Para que assim, possa ligar os pontos.

Lilith, uma das mais famosas figuras do folclore hebreu, originou-se de um espírito maligno e tempestuoso e mais tarde se tornou identificada com a noite. Fazia parte de um grupo de espíritos malignos demoníacos dos americanos que incluíam Lillu, Ardat Lili e Irdu Lili. Apareceu no Gilgamesh babilônico (aproximadamente 2000 a.C.) como uma prostituta vampira que era incapaz de procriar e cujos seios estavam secos. Foi retratada como uma linda jovem com pés de coruja (indicativos de sua vida notívaga).

Demonologia - Lilith (parte 1)


Falam muita coisa da nossa amiga Lilith. É um tema complexo e fascinante. E reserva alguns percalços e obscuridades. 
Mostrarei um texto que ampliará um pouco mais o conhecimento de Lilith em questão a alguns textos que existem a solta, é um texto bastante simples, interessante e sem complicações, envolvendo os lados que lilith possui para cada mito, ocultismo, Chaos, tradições, algumas comparações entre outros, vale a pena conferir!
Começaremos com a parte 1, terá continuação, mais textos sobre este assunto.

Talvez a primeira manifestação encontrada da Lilith tenha sido entre os povos Mesopotâmicos. Normalmente os ocultistas gostam de conceituá-la como sendo uma divindade caldéia. Os Caldeus costumam exercer uma fascinação hoje entre os magistas e ocultistas mais modernos, principalmente aqueles voltados para os lado das práticas de LHP (Left Hand Path), ou Caminho da Mão Esquerda. Muitos acenam para esse povo como criadores da Cabalá, como os escritores do famoso livro Necronomicon e etc.

Demonologia - Incubus/succubus

Imagem: tate.org
 Marie Laveau, a famosa rainha voodoo de Nova Orleans, do século 19, uma vez disse ser vampira. Não, ela não era. Mas um notável escritor do início de 1800, Lafcadio Hearn, disse que ela era - ao menos isso é o que especulamos. Ele provavelmente estava falando da filha dela, também chamada Marie, com quem ele propositalmente viveu. Então, Mister Hearn era um romântico. Nascido na Grécia (terra dos Vrykolakas), renomado como jornalista e escritor em Nova Orleans, onde se tornou familiar com a comunidade voodoo, Lafcadio caminhou pelo lado negro, com certeza. Mas suas alegações sobre Marie Laveau não eram de todas inacreditáveis.

No voodoo em Nova Orleans no séc. XIX, o sangue dos novatos era drenado, e segundo consta, bebido. Selvagens, alguns relatos falam de crianças sendo cozinhadas em caldeirões e então comidas. Isso não acontecia, mas algumas pessoas acreditavam nisso, exatamente como alguns acreditavam que os vampiros espalharam a Peste Negra na Europa.